fevereiro 2010


“- Mestre, como faço para não me aborrecer? Algumas pessoas falam demais, outras são ignorantes. Algumas são indiferentes. Sinto ódio das que são mentirosas. Sofro com as que caluniam.

– Pois viva como as flores – advertiu o mestre.

– Como é viver como as flores? – perguntou o discípulo.

– Repare nestas flores – continuou o mestre, apontando lírios que cresciam no jardim – Elas nascem no esterco, entretanto, são puras e perfumadas. Extraem do adubo malcheiroso tudo que lhes é útil e saudável, mas não permitem que o azedume da terra manche o frescor de suas pétalas. É justo angustiar-se com as próprias culpas, mas não é sábio permitir que os vícios dos outros o importunem. Os defeitos deles são deles, e não seus. Se não são seus, não há razão para aborrecimento. Exercite, pois, a virtude de rejeitar todo mal que vem de fora… Isso é viver como as flores…” Autor desconhecido

A lama ao nosso redor, por fim, nos serve de alimento e de crescimento pessoal. Nunca deixe de aprender com os erros próprios, mas, principalmente, nunca deixe de aprender com os erros dos outros. Você não terá tempo suficiente em sua vida para cometer todos os erros, para então aprender todas a lições.

~

Anúncios

De volta a rotina louca da faculdade, não sei bem se eu acho bom ou ruim, mas sei que dessa vez elouquecerei de vez.

Retrospectiva das férias:

* 1 namoro definitivamente terminado

* 2 paixões ressucitadas não sei de onde

* 1 amor de carnaval

* incontáveis conquistas

* muitos beijos desperdiçados com “seu ninguém”

* muitos sonhos por todos e por ninguém

* vários dias na praia

* várias farras indescritíveis

* 1 noite surreal

* 1 show inesquecível

* e a certeza de que tenho amigos para todas as horas…

Acho que minhas férias, apesar dos pesares, foram muito boas. Agora o negócio é conseguir sobreviver a esse ano que vai ser muito louco e muito estressante! Novidades ainda estão por vir, mas no final das contas nada muda, eu sempre serei a mesma e o mundo também…

Quem sabe aquela rosa de fato não será a primeira de muitas? [como disse um amigo meu] E quem sabe não será? Eu ainda tenho o direito de sonhar ok?

Enfim, o negócio em pensar em mim e deixar o resto pra depois…

“Eu sou a garota de riso fácil, coração gigantesco e alma infantil
Eu sou aquela que apesar de tudo tenta sempre levar a vida com força e alegria
Eu sou aquela que se apaixona fácil e que esquece mais fácil ainda
Eu sou aquela que ama eternamente cada ser que me presenteou com sua presença e graça, mesmo que a distancia nos torne estranhos
Eu sou quem sempre estará aqui para ajudar um amigo, para dar apoio, ou simplesmente para dar um sorriso num momento difícil, pois acredito que do silêncio temos muito mais a demonstrar do que das próprias palavras
Eu sou aquela por quem não esperam nada, mas que com pouco tempo percebem a minha capacidade de surpreender com meros detalhes
Muitas vezes posso ser aquela que ninguém que ter ao lado, afinal de contas eu não sou de ferro e tenho meus momentos de cara amarrada e de pura brutalidade
Mas normalmente sou doce que nem as nuvens, suave que nem o vento e agradável que nem uma sombra num dia de calor
Posso ser o que você sonha e posso ser seu maior pesadelo, mas isso vai depender mais de você do que de mim, pois minhas atitudes são apenas reflexos das suas
Eu sou quem um dia, de tanto se afundar em tristeza, simplesmente perdeu a capacidade de sentir raiva por mais de um segundo e adquiriu a incrivel invencibilidade do ser que sempre perdoa e sempre entende.
Eu sou quem ama a tudo e a todos sem medo de ser feliz, e sempre, inexplicavelmente sempre, está sorrindo, mesmo quando a situação não é a melhor
Eu sou quem mais acredita no amor e no poder que ele tem sobre as pessoas, pois por ele já movi montanhas, e por ele as moverei novamente
Eu sou a eterna aprendiz, pois quero ser mais e melhor que tudo o que já fui e já fiz, pois o aprendizado só acaba quando voltamos ao pó
E tento ir sempre adiante… Nunca vai ser fácil, mas o negócio eh sempre seguir adiante…”

Lila Carvalho

Me dei conta de que a maioria das coisa que faço encantam as pessoas pela simples razão de tudo ser feito de maneira plena e inteira, e com uma franqueza que espantam até os mais sinceros.

Tenho ouvido com certa frequência coisas do gênero: “o que você fez?”, “gosto porque você olha nos olhos” ou até… “foram seus olhos sexy´s que eu vi em você“.

Me espanta perceber isso, já que normalmente me sinto uma mulher comum diante dos olhos masculinos, mas talvez meu modo diferente de olhar os fazem perceber que o que há por trás desses olhos castanhos é mais do que se poderia imaginar…

Será que eu sou assim mesmo ou é a ilusão da mentira alheia que me faz pensar assim? É como já dizia a música mais tocante que eu já ouvi…

“Não sei dizer o que há em ti que fecha e abre
Só uma parte de mim compreende
Que a voz dos teus olhos
É mais profunda que todas as rosas
Ninguém, nem mesmo a chuva, tem mãos tão pequenas”

Nalgum Lugar – Zeca Baleiro

Afinal, como a cada novo olhar eu ouço coisas parecidas, permanecerei convencida de que isso é verdade, ou pelo menos meia-verdade.

Conclusão? Os homens mentem ao bel prazer, mas a verdade do momento existem, apenas naquele momento. Depois, é outra coisa… [06/03/2010]

William Blake dizia:

“Tudo que escrevemos é fruto da memória ou do desconhecido. Se eu tiver uma sugestão a dar, respeite o desconhecido, e busque nele sua fonte de inspiração. As histórias e os fatos permanecem os mesmos, mas quando você abre uma porta no seu inconsciente, e deixa-se guiar pela inspiração, verá que a maneira de descrever o que viveu ou sonhou é sempre muito mais rica quando o seu inconsciente está guiando a caneta.

 Cada palavra deixa em seu coração uma lembrança – e é a soma destas lembranças que formam as frases, os parágrafos, os livros. Palavras são flexíveis como a ponta da pena de sua caneta, e entendem os sinais do caminho. Frases não hesitam em mudar de curso quando descobrem, quando vislumbram uma oportunidade melhor. Palavras têm qualidade da água: contornar rochas, adaptar-se ao leito do rio, às vezes transformar-se em lago até que a depressão esteja cheia e possa continuar seu caminho. Porque a palavra, quando escrita com sentimento e alma, não esquece que seu destino é o oceano de um texto, e mais cedo ou mais tarde deverá chegar até ele”.

– Bom dia Sol! Sol? Ok!

– Quer carona filha?      – Sim mamãe!         (Reclamação nossa de cada dia nos dai hoje!) Grrrr

– Estresse… Estraguei a vida de alguém… Grrr! Irritabilidade! Mal humor! O cara novo percebe e me olha com a cara estranha… “Meu amigo ta te estressando? hehehe” Ironia… =/

– Dor! Muita dor… Dor sufocante… Remédio na bolsa! (idéia!) Remédio? Remédioooooo! Cadê você? (lembrei!) Esqueci em casa!

– Farmácia, compras: remédio X, remédio Y e chocolate! (Pra relaxar, sabe?)

– De volta ao trabalho… Remédio…glup! Passa dor… Passa dor? Passa dor! Grrr Finalmente… Passa a dor! (Amém!)

– Chocolate! Hum… (pelo meno algo bom!) Olho gordo… chocolate, chão! =/ Ok, foi só alguns…

– Hora do almoço… Cansaço, mais dor e enjôo! Merda de chocolate! Sem fome + enjoada = Não consigo almoçar! (Droga de chocolate!)

– Indo para casa: calor… Muito calor! Meu Deus que calor!!!

– Em casa: ligo o computador… (MsN: off) Vejo uma pessoa com a qual queria falar. Oba! (MsN: on) Cadê ele? Grrr

– Calor, dor, dor sufocante… Remédio ok! Água…la embaixo… =/ Preguiça…

– Calor + dor = to ficando tonta…minha pressão…eu tenho que sair cedo… ÁGUA! No quarto de mainha, água, remédio… Glup! Relaxa… 5 min p relaxar e se organizar p sair, ok?

– Filha, você tem que organizar aquilo…         Ok, mamãe… (Dor… e perdendo tempo…)

– Banho… Parada de ônibus… Espera… Mais espera… Muita espera!

– Espera…  Calor… Dor… Mais espera…

– 40 min depois… Ônibus!!! Senta… -.- zzZZ

– 1h depois… Cheguei! Fila gigantesca, ok! Eu já estou aqui mesmo!

– 15 min depois… Alguém que trabalha no local: “Quem não pegou a ficha as 17h não vai ser atendido.” São 17:15h Grrr

– De volta para casa… O ônibus nem demorou… Que dia horrível! Quero fazer algo agradável… Já é noite, não dá para ir à praia. Estou com fome, quero algo gostoso para comer, mas o q? Sushi? Sanduiche? Acarajé? O q? Já sei! Sushi! Eh…

– 40 min depois… Chegando no restaurante… (Fome! Ao menos vou comer comida gostosa…) To quase lá… Eba! Eba! Eba! … EPA! Ta tudo escuro? Ta tudo escuro! Ta fechado? Eh…fechado! (Fome + Vontade de comer… Grrr) Já sei! Acarajé! Dá p ir a pé… Irei!

– 10 min depois… Hum… Adoro esse cheiro! (fome!) Me da um, com uma Coca!… Um pouco de espera… Hum… Chegou! Hum… Ta bom! Hum… Por quê tão pouco camarão? 😦 Quero outro com bastante camarão, mas eu já to cheia… Ok! De volta p casa!

– Finalmente em casa… Ainda to viva, mas não é tão garantido assim… Quero dar uma volta… Melhor não… Antes que aconteça uma catástrofe eu vou dormir, antes que falte energia e esse post seja apagado automaticamente. Eh melhor ir dormir…

(Antes de eu concluir esse post, recebi uma notícia que não me agradou. Pois eh, afinal de contas piorou!)

“(Refrão)
Sentado no meu quarto
O tempo vôa
Lá fora a vida passa
E eu aqui à tôa
Eu já tentei de tudo
Mas não tenho remédio
Prá livrar-me desse tédio…

Vejo o programa
Que não me satisfaz
Leio o jornal que é de ontem
Pois prá mim, tanto faz
Já tive esse problema
Sei que o tédio
É sempre assim
Se tudo piorar
Não sei do que sou capaz…”

Tédio – Biquini Cavadão

Pois eh… O tédio tem assolado as minhas férias, principalmente depois do fim do veraneio, e eu aqui a toa ainda. Não que eu esteja reclamando, mas já que estou… Eu aqui à tóa, a praia linda la fora e ninguém para me acompanhar! Ahhhhhhh! Isso me mata!

Bem… Vou organizar a minha vida, é o melhor que eu faço!