janeiro 2010


Não tenho nada a pensar sobre isso

Não tenho nada a declarar sobre nós

Nada me surge quando estou só

E muito menos quando penso em você

Não sinto calafrios, nem ansiedade

Não reparo no Sol poente

E muito menos na Lua cheia

Não percebo o som do mar

E não observo crianças na praia

Nada me distrae

A não ser o próprio vazio deste ser que não viveu

Só uma coisa me entristece
O beijo de amor que não roubei
A jura secreta que não fiz
A briga de amor que não causei
Nada do que posso me alucina
Tanto quanto o que não fiz
Nada do que eu quero me suprime
De que por não saber ainda não quis
Só uma palavra me devora
Aquela que meu coração não diz
Só o que me cega, o que me faz infeliz
É o brilho do olhar que não sofri

(Jura Secreta – Simone)

Jurei a mim mesma que nesse novo ano não permitiria que isso acontecesse. Espero ter conseguido dar o primeiro passo que eu poderia dar, espero que o amor saiba que estou prestes a bater em sua porta…

Olá, belo amor! Quer ir à praia ver o sol se pôr?

…………

Como eh belo a dor do amor que não existiu

A noite de amor não vivida

O afago perdido no tempo

E tudo o mais que eu posso sonhar com você

Como eh belo acordar e assistir um sonho bom

Como eh infinito meu desejo de realizar tudo isso!

Como eh sem fim a vontade de me afogar em seu peito

De respirar sua pele

De saborear seu suor

Sua lacívia

Aí está a beleza desse amor inexistente, mas persistente

Persistente em mim

Persistente em você

Inexistente em nós

Neste momento o melhor poema

A melhor canção está no suspiro e na voz que diz ao meu ouvido

Tudo o que eu já desejei ouvir

Infelizmente, não é você sussurrando essas palavras fáceis

Não é você suando ao meu lado

Não é você

É uma ilusão