junho 2009


sexy9

Você é má – Zeca Baleiro

Vá se danar!
Você dá nada a ninguém
Nem um olhar
Nunca falou tudo bem
Tem, mas não dá
Sorrir jamais lhe convém
Você é má
Mas há de ter um bem

Você dá nada a ninguém
Vá se danar!
Danada, não perde o trem
Sabe nadar
Mas nada sabe de alguém que sabe amar
Eu quero ser seu bem
Você é má

Você é maluca
Você é malina
Você é malandra
Só não é massa…
E você magoa
E você massacra
E você machuca
E você mata!

Vá se danar!
Você dá nada a ninguém
Nunca dará
Nem mesmo um simples amém
A deus dirá
Diz que não vai à belém
Você é má
Mas pode ter um bem

Você dá nada a ninguém
Vá se danar!
Danada, finge tão bem
Sabe negar
Jamais dá a quem tem demais pra dar
Mas eu serei seu bem
Você é má

Você é maluca
Você é malina
Você é malandra
Só não é massa…
E você magoa
E você massacra
E você machuca
Você mata!

E eu juro que consigo deixar alguém louco com essas coisas… A única coisa que eu queria era ser realmente tão má quanto a múscia descreve, queria provocar a loucura alhei, mas no final das contas quem realmente se perde pelo outro sou eu… No final eu sempre me preco em loucuras, sempre saio imaginando 1000 coisas com determinado alguém… Tudo o que eu queria era ter certeza de que você ainda pensa em mim como eu penso em você, só pelo simples prazer de saber que você pensa em mim sozinho no seu quarto…

Ou será que eu sou romântica demais? Melhor resolver minha vida e esquecer de mim!

Anúncios

eolo-perfidoMinha nossa, como eu pude imaginar uma coisa dessas?

Sabe, por um breve momento eu imaginei que estava perdidamente apaixonada por você. Por um mili-segundo eu sonhei com um futuro lindo para nós. Como eu sou estúpida!

Como eu poderia me imaginar com você? Logo eu, que sou tão ajuizada e certa do que pretendo, diante de você que não sabe para onde e de onde vem? Porque, francamente, você não faz a menor idéia para onde ir, certamente você esta indo, mas com certeza se perdeu do motivo e da razão de tudo isso.

Sabe, quando eu aidna acreditava sentir algo por um canalha que nem você eu chorei! Não nego, chorei! Por um breve momento pensei que fôsse por você, mas aí eu parei e observei o que eu sentia em meu coração e me toquei de que não havia nenhuma dor ali, me toquei de que não havia nada ali.

Parei e refleti. Cheguei à estranha conclusão de que eu estava apaixonada sim, mas pelo o que você poderia proporcionar para mim e não por você, propriamente dito. Cheguei à conclusão de que mais que sua companhia, eu deseja ter alguém do meu lado. Mais que seu corpo ou seu sexo eu queria meu prazer. Mais que você a me fazer sorrir, eu me queria sorrindo por qualquer coisa, inclusive por sua causa…

Se eu deixei de pensar em você? Jamais!

Penso viciadamente em tudo o que houve desejando mais, e se me aparecer nova oportunidade não vou jogar fora, não se iluda! Vou aproveitar muito mais do que da primeira vez, mas dessa vez você com certeza vai voltar atrás de mim… Quer pagar para ver?

Ok! Estou chateada! Estou mal acostumada e faz muito tempo que não levo um belo e redondo fora, mas o mundo é grande, e eu amo é a mim mesmo!

x}

“Senhor, dê-me serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar,
a coragem para mudar as coisas que não posso aceitar,
e a sabedoria para esconder os corpos daquelas pessoas
que eu tive que matar por estarem me enchendo o saco.
Também, . a ser cuidadoso com os calos em que piso hoje,
pois eles podem estar conectados aos sacos que terei que puxar amanhã.
Ajude-me, sempre, a dar 100% no meu trabalho……
* 12% na segunda-feira,
* 23% na terça-feira,
* 40% na quarta-feira,
* 20% na quinta-feira,
* 5% na sexta-feira.
e . . . .
. sempre a lembrar, quando estiver tendo um dia realmente ruim
e todos parecerem estar me enchendo o saco,
que são necessários 42 músculos para socar alguém
e apenas 4 para estender meu dedo médio e manda-lo pra quele lugar. . . .

Que assim seja ! ! ! !”

Vi isso no orkut de um amigo meu…adorei!

La estávamos eu e você ao lado um do outro novamente! Tinha prometido a mim mesma que jamais ia te procurar de qualquer maneira de novo, mas não resisti depois de toda aquela provocação com risinhos, toques, massagens e uma breve mão vindo pelo meu quadril, enquanto eu largava as coisas em cima da mesa e você fingia se aproximar atrás de mim, e mais uma vez ninguém percebeu…

De repente enlacei minhas pernas nas suas e permaneci ali, apenas para que você percebesse a minha intenção, sem que fosse visível aos outros olhos. Só eu e você sentimos aquele movimento, só eu e você sentimos aquele calor se expandindo no corpo enquanto subia um frio na espinha.

(Me lembrei agora dos arrepios que eu senti quando você massageou de leve meu pescoço, tenho a impressão de que seus pensamentos não eram ruins, não pelo menos para mim!)

De repente seu olhar estava penetrante em mim e eu, lamentávelmente, tentando ler um texto que eu mal podia focar. Me senti tão nua quanto no dia em que eu nasci, e eu estava nascendo ali de novo, mas apenas para você. Me lembro de fechar os olhos e tentar esquecer suas pernas, tentar esquecer seu olhar, mas isso só me fazia sentir mais nua e vulnerável e com vergonha. Esconder

(VERGONHA! Logo eu! Eu que conseguia deixar todos os meninos com vergonha, eu que sou implacável às provocações e brincadeiras de qualquer um daquele ambiente, eu com vergonha? Você conseguiu me render, naquele dia mais que nunca!)

Me recordo bem, logo em seguida você pôs sua mão no meu joelho e foi subindo devagar. Nunca tinha desejado tanto uma mão no meu joelho quanto naquele momento! Você subiu a mão devegar, subindo entre as coxas, parou um pouco e apertou minha pele sob a calça. Fechei os olhos, não sei se para fugir do que sentia ou se para sentir melhor, talvez eu quizesse fugir dali, talvez com você, talvez sem você. Eu sei que me humideci, eu sei que minha respiração parou, eu sei que minha razão e minha concentração se perderam. Você subiu um pouco mais a mão e me tocou de leve, por impulso te empurrei, foi invevitál.

Em meio à tontura e a excitação minha única reação foi te pedir que parasse de me olhar daquela forma. E você respirava tão ofegante que me senti totalmente sugada pelos seus pulmões, meu corpo estava ali, mas você o tinha aspirado por inteiro, não sei se apenas aspirou ou se aspirou e o tomou para si. Pela primeira vez não consegui ler seus pensamentos, me senti perdida em sua respiração e me senti mais ofegante ainda. Pedi que parasse de me olhar, de me respirar, e você simplesmente me disse que não conseguia, que simplesmetne não conseguia.

Eu congelei! Fechei os olhos e me vi te agarrar ali mesmo, na frente de todos, sem pudor, mas não pude. Ao invés disso, me contive, fugi de você, fui ao banheiro, me sequei, me hidratei e novamente me sentei ao teu lado, mas você já não me via nua, vocâ já não respirava ofegante…

Ai! Se arrependimento matasse!

Quase um mês solteira e é quase impossível não pensar que falta algo na minha vida. É quase impossível não pensar que eu seria mais feliz com alguém especial do meu lado, é quase impossível não querer me apaixonar de novo!

Pela primeira vez na minha vida terminei um longo relacionamento e agora – depois de encher a boca para dizer que ele fazia besteira em fazer isso – entendo o porquê de um amigo meu sempre pular de namoro em namoro! Acho que nunca me senti tão sozinha na minha vida! Inclusive quando estive arrudiada de amigos…..

O vazio do término do namoro me fez cometer algumas besteiras nesse fim de semana, mas nada tão desesperador assim! Espero apenas não magoar ninguém! Fazendo uma retrospectiva breve da minha vida, nunca tive tanta certeza do quão espivitada e maluquinha eu sou, de que a melhor coisa a fazer nesse momento é arranjar alguém para não sair por aí ficando com milhões de pessoas, mas nem por isso vou sair desesperada a procura desse alguém.

Que as minhas loucuras nunca estiveram inerentes a Daniel, a única coisa que mudou era que com ele a oportunidade de fazer loucuras me surgia com mais facilidade e com mais frequência.

Que eu adoraria me apaixonar nesse momento da minha vida, depois de um relacionamento que não vejo mais retorno um novo recomeço com alguém que eu goste de verdade seria como uma fênix ressurgindo das cinzas, mas com certeza seria muito precipitado. Se bem que paixões sempre são bem vindas.

Mas apesar de finalmente estar sozinha no meu barco, seguindo o meu caminho, eu sei que tem várias pessoas ao meu lado. Que não estão no mesmo barco que eu, mas seguimos na mesma direção da vida, o mesmo rio, a mesma correnteza. Nunca estaremos no mesmo barco, mas qualquer coisa amarramos ums barcos nos outrospara que nenhum afunde.

E é assim que eu quero seguir adiante: no meu próprio barco, mas com o apoio e apoiando aqueles que amo e que me amam. Porque nada na vida é por acaso e tudo funciona em via de mão dupla!

"Faço longas cartas para ninguém, e o inverno no Leblon é quase glacial." Adriana Calcanhoto

"Faço longas cartas para ninguém, e o inverno no Leblon é quase glacial." Adriana Calcanhoto

“Eu sei que provavelmente estou apaixonada por você, mas isso não me incomoda. Aliás, nem sei ao certo que tipo de sentimento estou nutrindo por você, só sei que é algo divinamente maravilhoso quando brevemente correspondido, mas agora vejo que tudo isso é uma grande perda de tempo! Vejo bem que agora toda a sua mente e seu ser estão direcionados para algo que certamente não sou eu, e isso tem me incomodado muito e me enlouquecido bastante.

Não sei mais por qual razão escrevo essas palavras doidas e soltas. Queria escrever algo que te fizesse enxergar o que eu tenho de mais podre, para que finalmente se afaste de mim de uma vez por todas! Infelizmente tudo o que eu consigo apresentar a você é um poço de sinceridade e sentimento, um monte de mel que escorre ininterruptamente em sua direção, e você sequer percebe.

Estou loucamente “alguma coisa” por você, me controlo para não te procurar de qualquer maneira, mas eu simplesmente não consigo! De repente eu ligo meu celular e escrevo devaneios para ti, mas a coragem de enviá-los simplesmente me foge, como água entre os dedos, uma hora eu tenho e logo em seguida se vai!

Ah! Se as pessoas enxergassem tudo isso que se passa em minha mente, elas iam, no mínimo, me chamar de louca, e certamente iriam me julgar pro resto da minha vida de tudo o que aconteceu entre eu e você. Se é que já não julgam! Queria ter novamente aquela coragem que tinha momentos atrás, quem sabe eu finalmente mandaria algo a você descrevendo tudo o que se passa comigo, daí você poderia finalmente me dizer que não me quer, que tudo era só curtição e que eu fui apenas mais uma para você. Quem sabe assim eu poderia seguir feliz, ou infeliz… Tanto faz!

A última coisa que quero de você agora é pena, eu escrevo só para que você saiba disso tudo. Não quero que se preocupe comigo! Eu sei de meus sentimentos e sei que essa historia não terá um final feliz, não para mim…

A única coisa que quero de você agora é o seu sorriso malandro estampado no seu rosto novamente, e algumas horas ao meu lado fazendo absolutamente nada, ou fazendo tudo o que vier a cabeça. No final das contas para mim tanto faz!

Só se sente ao meu lado e sorria, você tem alguém que olha por ti!”

Natal, 10 de maio de 2009.

Carta para um certo alguém, escrito em devaneios por uma louca que nem sabe ao certo o que quer da vida, apenas tem certeza de que viveria essa história bizarra com sua total plenitude. Se lhe fosse permitido, é claro!